24 HISTÓRIAS DE SEXO DE CASAIS QUE FORAM ATRAPALHADOS PELA FAMÍLIA

Rádio Federal Online

1. O filho do vizinho.

Eu e o boy sozinhos na minha casa. Estávamos já animados na pegação, sentados em uma poltrona do meu quarto. Tirei a calcinha e fiquei só de vestido em cima dele, num love bem ~sonoro e movimentado~. Até que, quando ele me pega no colo e me levanta pra irmos pra cama, olhamos pela janela e percebemos que o filho do vizinho estava no quintal, apenas contemplando a cena que rolava no meu quarto. Nunca mais deixei aquela cortina aberta e criei uma nova paixão por usar vestidos sem calcinha.

Fui na casa do meu @ e o quarto dele estava em reforma, então fomos transar no quarto da mãe dele. O problema é que ela tinha vários porta retratos com fotos dele bebê, tive que abaixar todas elas pra não ficar rindo e atrapalhar tudo.

3. Eu sou o Batman.

Eu estava na casa do meu namorado. Fomos para o quarto transar e trancamos a porta, para evitar constrangimentos. Estávamos lá no bem bom e DO NADA aparece o irmãozinho de 4 anos dele abrindo a janela, usando uma fantasia de Batman e gritando “EU SOU O BATMAN!”. Não deu outra: no mesmo momento ele congelou olhando pra gente. Meu namorado saiu correndo pra fechar a janela, mas já era tarde. O menino saiu gritando pela casa “ELES TÃO DE NU!” e contou o que viu pra todos da família… e do colégio….

4. Quase flagrados na cozinha.

Um dia fui pra casa do meu então namorado e, sem aguentar esperar, começamos a pegação na cozinha mesmo (tínhamos 15 anos). Quando eu já estava completamente sem roupa, ouvimos o barulho do portão anunciando a desgraça: a mãe dele estava chegando e em menos de 10 segundos entraria na cozinha. Peguei minhas roupas do chão e saí correndo pra me trocar no banheiro, o que eu estava achando um ótimo plano até chegar a hora de vestir a calcinha, porque ela não estava lá. Tinha ficado jogada no chão da sala. A mãe dele viu, eu saí do banheiro e ainda tive que puxar um “oi! tudo bem?”. Fui embora andando de calça jeans justa sem calcinha.

5. A tensão sexual com a mãe do melhor amigo.

Eu tenho um grande amigo que considero quase como um irmão. Nunca tive a chance de conhecer os pais dele pois eles moravam em outra cidade, até que eles se separaram e a mãe dele veio morar na mesma cidade que eu. Por causa da amizade acabei me tornando colega da mãe dele, de papear inocentemente todos os dias pela internet, sem nenhuma maldade. Até uma determinada noite de domingo, quando do nada começamos a falar sobre sexo (mas ficou só nisso mesmo).

6. Guerra de polegar.

Um dia eu fui almoçar na casa do meu ex e os sobrinhos dele estavam lá, junto com meus ex-sogros. Depois do almoço resolvemos deitar juntos no sofá, nos cobrimos com uma manta e aí foi mão pra lá, mão pra cá – até a sobrinha dele surgir DO NADA perguntando ”o que vocês dois tão fazendo?”. Respondi a primeira coisa que veio na minha cabeça: disse que estávamos fazendo guerra de polegar. A guria pediu pra brincar também e resolveu sentar entre nós dois – sendo que eu ainda estava com a mão grudada no pau do menino. Dei graças a Deus quando a minha sogra chamou a guria pra ir ajudá-la a estender a roupa. Nunca mais voltei naquela casa depois disso.

7. Cara de paisagem.

Uma vez, eu e meu ex fomos pra casa da tia dele e como ela tava se mudando e ainda estava com vários móveis faltando, ela meio que “cedeu” o quarto dela pra gente ficar lá de boas, deixou a gente bem a vontade, uma fofa! A gente tinha consciência que poderíamos até transar lá contanto que fôssemos super discretos porque o quarto NÃO TINHA PORTA – bom senso, né? Mas aí o negócio ficou nervoso, quando a gente viu já tava pelado em cima da cama da mulher, e, infelizmente eu estava completamente ARREGANHADA enquanto ele fazia oral em mim. Eu não sei se ela esqueceu que a gente estava lá, mas bem nessa hora ela simplesmente entrou no quarto de uma vez e viu aquela linda cena, enquanto eu só conseguia rir de nervoso. Enfim, a cara de paisagem dela depois na hora do lanche foi o AUGE do constrangimento naquela tarde.

Meus pais eram muito conservadores durante o primeiro ano do meu namoro e faziam de tudo pra impedirem nossas transas (não que adiantasse, kkkk). Geralmente nosso encontro era ir pro shopping pra transar em umas escadas de incêndio que tinham lá e raramente eram usadas. Fizemos de TUDO por lá. Até que um belo dia ele estava me chupando lá na escada quando DO NADA uma porta se abriu e dela saiu um cara logo acima de onde estávamos. Eu com a calça no joelho, saí quase me jogando escadaria abaixo correndo pela minha vida. Corremos para o estacionamento que estava mais vazio, descemos elevadores, tirei meus óculos, moletom, tudo pra virar a própria mestre dos disfarces. Já me imaginava na salinha de interrogatório e o shopping contatando minha mãe pra falar pra ela que eu estava sendo chupada em lugar público. Aquele dia foi louco. No fim, saí ilesa.

9. O abençoado.

Eu estava no quarto do meu namorado, transando com ele numa posição tipo de conchinha. Eu estava de blusa e estávamos cobertos, quando de repente a tia dele entrou no quarto sem avisar e a gente congelou no susto. Não sei o que deu na cabeça dele que continuou com o ~abençoado~ lá dentro de mim, como se nada tivesse acontecido. A tia dele sentou na cama, começou a papear com a gente sem perceber o que estava rolando e eu lá com cara de paisagem, fingindo que estava tudo bem e que meu namorado não estava dentro de mim. Tudo de bom.

10. De quatro no meio da sala.

Minha mãe tirava um cochilo no quarto dela enquanto eu e meu ex estávamos sozinhos na sala. Aproveitamos para dar uma rapidinha. Quando ~começamos os trabalhos~ eu estava sentada no colo dele com a calça levemente abaixada, aí escutamos a janela do quarto da minha mãe se abrindo (como é meio antiga, a janela faz um barulhão quando mexem nela). No desespero dela nos flagrar ali no meio da sala o boy me empurrou pro lado e eu caí de quatro no chão, só deu tempo de levantar a calça e ele guardar o “malaquias” de volta na calça antes da minha mãe aparecer. Ela me viu ali de quatro no meio da sala e quis saber o que estava acontecendo, tive que falar que havia perdido um brinco e não estava achando. Ela não caiu muito na mentira, mas fiz a sonsa e desconversei, e ficou por isso mesmo.

11. Cubra seus rastros.

Festa de aniversario de uma amiga minha, na casa dela mesmo. Acabei ficando com um menino por lá, só que a coisa começou a esquentar e decidimos subir para o quarto dela. Demos de cara com a porta porque o quarto estava trancado – a porta do escritório logo ao lado estava aberta, então terminamos o serviço por lá mesmo. O boy acabou gozando no chão, a gente não encontrou nada pra limpar e pensou “ah, ninguém nunca vai saber que foi a gente, vamos sair de fininho como se nada tivesse acontecido!”. Depois de um tempo a minha amiga contou que a casa toda estava cheia de câmeras, e por isso a mãe dela simplesmente assistiu a TODA A CENA do nosso rala e rola no escritório da família. Resumindo: nunca mais pisei naquele lugar.

12. A mãe educada.

Sozinhos na casa do boy, tomamos um banho gostoso e fomos já acesos para o quarto. Estávamos super animados, puro tesão pra todo lado, gemendo alto, tapa pra lá, tapa pra cá – até que a gente ouve a mãe dele batendo na porta do quarto para dizer que chegou em casa mas que estava saindo pra nos deixar mais tranquilos. Não preciso dizer que não consigo mais olhar pra ela sem pensar que ela já me ouviu gemendo nas alturas…

13. O potinho de whey.

Estava ficando com um cara há algum tempo e ele me disse que era SUPER independente, que ainda morava com os pais mas eles eram SUPER tranquilos. Em uma tarde ele foi me buscar na faculdade e me levou para casa dele – até aí ok, né? Começamos a beber e fomos para o quarto dele. No meio do bem bom a mãe do cara chega de carro e começa a buzinar pra ele abrir o portão da casa. Ele imediatamente me JOGOU da cama e pediu peloamordedeus para eu me esconder no guarda roupas, porque a mãe dele não o deixava levar ninguém para lá. Eu fiquei tipo “AMADO???”, mas não queria confusão então fui.

A mãe do cara passou mais de DUAS horas conversando com ele na sala e eu obviamente fiquei morrendo de vontade de fazer xixi, chegou uma hora que o mijo queria sair até pelo olho. Até que em um momento ele abre o guarda roupa e me pede pra esperar só mais um pouco que a mãe dele já já ia pro quarto. Eu AGARREI ele e pedi PELO AMOR DE DEUS pra ele me levar no banheiro. Ele me solta um “minha mãe está no banheiro agora, mas mija aqui nesse potinho de whey, pode ser?”. Sim, isso mesmo. Resultado: completei um pote de 1kg de whey com o xixi acumulado e na primeira oportunidade que surgiu corri pro carro dele e fui embora daquele lugar. Deixei o pote de whey pra trás, obviamente. Nem preciso dizer que nunca mais quis saber do cara, né?

14. Fingindo de morta.

Minha família é total contra eu e meu namorado transarmos antes do casamento, então só podia rolar na casa dele. Estávamos de conchinha, gostosinho no bem bom, gemidinho baixo pra ninguém notar, até que a avó dele entra do nada pra dar oi pra gente. Me fingi de morta na hora e o boy soltou um “ela tá dormindo vó, já vou lá dar oi pra senhora”, mas mesmo assim ela decidiu ir até a cama e dar um beijinho nele. Eu, com tudo ali dentro de mim, estava quase tendo um ataque de risos mas me mantendo imóvel que nem uma múmia. Resumindo: ela saiu do quarto, nós rimos muito do ocorrido, ele trancou a porta e terminamos a nossa conchinha maravilhosa. Depois saímos para dar um oi pra família, mas pelo olhar da mãe dele ela já tinha sacado tudo…

15. A ligação importante.

Estava transando com o meu ex. Bem na hora em que estava “cavalgando” ele, meu pai me liga. Fiquei meio nervosa porque era uma ligação importante e eu não podia deixar de atender, então atendi enquanto ainda estava “montada” no boy. No início o boy tinha parado com “os movimentos”, mas foi só eu começar a conversar com meu pai que ele voltou com força total e eu tive que ficar me controlando para não gemer enquanto falava com meu pai no telefone. Foi tenso mas bem sexy ao mesmo tempo, de um jeito muito errado e proibido.

16. Plano de fuga.

Convidei o boy para vir na minha casa pois, além de estar sozinha, precisava esclarecer algumas coisas com ele. Claro que logo depois de conversarmos, começamos a dar uns amassos. Isso era por volta das 16h e meus pais geralmente chegam só a noite em casa (ainda brinquei com o boy dele ter medo de sermos flagrados pelos meus pais). Põe a mão aqui, tira a roupa lá, tesão a mil no meio do sexo, quando DO NADA escuto o portão abrindo e a voz da minha mãe – e o pior: DO MEU PAI! Foi uma loucura só.

Mandei o boy pegar roupa e ficar em silêncio atrás da porta do meu quarto. Poucos segundos depois, a minha mãe abre a porta e me pega só de calcinha e camiseta. Disse para ela que havia acabado de sair do banho (enquanto isso, o boy nem respirava). Meu pai então entrou no seu banheiro e minha mãe foi para a sala; eu tive que mandar o boy sair correndo pela cozinha em questão de segundos, para sair pela porta de trás enquanto eu fazia carinho na minha cadela para ela não latir por causa dele.

17. O sabor da pizza.

Foi no dia em que conheci minha ex-sogra e cunhado. Fomos todos à uma festa e meu ex e a mãe dele ficaram super bêbados. Quando voltamos pra casa dele, ela foi direto para o quarto tomar banho e ele quis dar umazinha no meio da sala. Começamos o rala e rola e esquecemos do irmão dele que, no meio da transa, me aparece perguntando que sabor de pizza nós queríamos. Meu ex continuou transando como se nada tivesse acontecido e eu lá louca do cu tentando tapar tudo com as almofadas e dando uns tapas nele pra ele mandar o irmão embora. Meu ex-cunhado obviamente se tocou e saiu da sala que nem aquele gif do Homer entrando no arbusto. Nunca tocamos nesse assunto, mas depois disso eu e meu ex-cunhado sempre dividíamos um silêncio constrangedor quando ficávamos sozinhos, além dele sempre anunciar que estava entrando nos lugares quando eu estava com o irmão dele.

18. Tinha uma privada no meio do caminho.

Meu namorado e eu moramos em cidades diferentes, então precisamos dormir na casa um do outro quando nos vemos. Como meus pais são bem conservadores, ele tem que dormir na sala quando fica em casa (apesar de sermos maiores de idade). Porém, somos jovens, cheios de fogo e não vai ser um cômodo separado que vai nos impedir de fazer qualquer coisa (que meus pais não leiam isso!).

Durante uma das visitas, resolvemos nos aventurar no banheiro durante a madrugada. Um beijo aqui, uma mordida ali, e fomos para o vamos ver. Ele colocou o preservativo e pediu para que eu me abaixasse. Eu abaixei, mas fui pega de surpresa pela minha privada: dei uma BELA cabeçada na louça e fez o maior barulho do mundo às 2h da manhã! Por uns instantes não passava nem wi fi no nossos cys de tanto medo de alguém acordar, hahaha. Mas desistimos e fomos deitar? Não! Fomos até o fim e ainda combinamos de no outro dia eu contar que estava com dor de barriga, caso alguém perguntasse pelo barulho.

19. O suspeito no quintal.

Moro com meus pais e meu quarto tem uma entrada independente, o que ajuda a economizar na conta do motel kkkk. Fui lá fora nas pontinhas dos pés abrir o portão para um boy às 2h da manhã – pra minha infelicidade, no mesmo segundo em que meu pai resolveu levantar pra ir ao banheiro. Resultado: eu volto para o quarto e minha mãe me liga para avisar: “fia não assusta, fica calma e vê se sua porta tá trancada porque seu pai viu um cara estranho no quintal agora.” Inventei A história para disfarçar e o boy ficou meia hora escondido do lado de fora, esperando as coisas se acalmarem kkkkkkkkk.

20. O brigadeiro.

Eu namorava com um cara de outra cidade e só dava para a gente se ver nos finais de semana. Em um dos finais de semana fui visitá-lo, mas a mãe dele também foi. O problema é que eu estava M O R R E N D O de tesão. No meio da transa, a mãe dele manda um zap (que obviamente só fomos ver beeeem depois) perguntando se queríamos brigadeiro. Como ele não respondeu, ela abriu a porta do quarto na maior empolgação e me viu com a boca na botija. EU SÓ QUIS MORRER, BUZZFEED!! Felizmente terminamos (pois boy lixo zzz) e nunca mais vi minha ex-sogrinha que só quis ser fofa e nos dar um brigadeiro.

21. A casa fantasma.

Foi durante uma viagem com amigos e familiares. Uma noite todo mundo dormiu super cedo porque estavam mortos pelo dia ter sido cheio, mas eu e meu namorado não estávamos com sono e o ócio trouxe com ele um tesão desgraçado. O problema é que todo mundo dormia na sala, então escapamos da casa e fomos para a área externa. Ao lado da piscina tinha uma casa pequenininha de bonecas, feita para crianças. Não deu outra: entramos na casinha e começamos a ação.

O problema foi que sem querer esbarramos em uma estante e TODAS as bonecas caíram no chão fazendo uma barulheira enorme. Todo mundo acordou? Sim, mas é claro. Quando vimos as luzes acendendo, saímos correndo – pelados mesmo! – e nos escondemos pelas árvores. Tivemos que esperar todo mundo voltar a dormir para pegar nossas roupas e voltarmos para a casa. No outro dia, só se falava da casinha de boneca mal assombrada… Não sei até hoje como ninguém suspeitou.

22. O cy peludo.

Sempre que meu ex-namorado estava na minha casa, minha mãe chegava em casa fazendo o maior estardalhaço, tossindo, falando “CHEGUEI HEIN” pra gente saber que, se tivesse rolando algo, era pra parar. Mas aí que tá, nunca tinha rolado dela chegar enquanto a gente estivesse transando mesmo, então tava sempre tudo bem. EIS QUE uma certa noite ela saiu pra jantar com as amigas. Quando chegou ela jurava que a gente tava dormindo. Só que, né!?

Por algum motivo do universo, justo naquela noite ela entrou em casa e no meu quarto sem nenhum aviso. Na época, estávamos experimentando posições: eu estava com a cara no chão, a bunda pra cima e ele apoiado na janela, meio abaixado (porque eu sou baixinha e ele alto). Minha mãe entrou, nos viu por trás (porque a janela era de frente pra porta) e berrou a maravilhosa frase “CARALHO, QUE CU PELUDO!”. Eu comecei a rir TANTO que quase caí de cara no chão, enquanto ele ficou em posição fetal, parecendo um pimentão de tão vermelho. Momentos.

23. A prisão do Jeremias.

Estava transando com a minha ex na casa dela, pois estávamos a sós – pelo menos no começo. Em certo ponto, escutamos a avó dela entrando na casa e chamando pela neta. Corri para colocar a roupa, vesti a camiseta, chutei a cueca pra baixo da cama e pulei dentro da calça. Infelizmente o pior aconteceu: eu ainda estava com o “Jeremias” de pé e o zíper da calça prendeu na pele dele, provocando uma dor inimaginável. Não dava mais tempo de arrumar antes da vó chegar no quarto então eu só me cobri (num dia de muito calor) a tempo dela entrar no quarto. Eu olho pra ela com uma lágrima escorrendo e a dor estampada no meu rosto.

– Oi vó, a senhora tá bem? (Costumava chamá-la de vó mesmo)

– Oi, filho. O que aconteceu? Por que essa cara de dor?

– É só gastrite mesmo, já passa.

– Menina, deixou ele sem comer de novo, né!? (mal sabia ela que eu tinha comido outra coisa KKKKKK desculpem pela piada).

Enfim, a conversa durou mais de 15 minutos e eu tive que ficar sem usar o colega por um tempo depois disso.

24. Como uma onda.

Era o início do namoro. Ele foi viajar para a praia uma semana antes de mim e só cheguei no sábado de Carnaval. Estávamos morrendo de saudade um do outro e a casa da família dele estava lotada, então os dois GÊNIOS tiveram a brilhante ideia de ir transar no mar. Em pleno MEIO DIA do começo do Carnaval. Até que tudo correu muito bem e conseguimos disfarçar direitinho! Ou assim achávamos.

Fonte: BuzzFeed
Tagged as

Reader\'s opiniões

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *



Faixa actual

Título

Artista